10-06-2009 (7)

Margit Schiller , Remembering the Armed Struggle Life in Baader-Meinhof , Zidane Press, 2009.

COLHEITA1 (4) (2)

Anne Steiner , Loïc Debray, RAF – Guerilla urbaine en Europe occidentale, L’échappée, 2006.

Cópia de 3-Fev-09 Fotografia (3) 09
P. Mario Fasanotti, Valeria Gandus, Bang Bang. Gli altri delitti degli anni di piombo, Tropea, 2004.

Anúncios

O “CONTRA-AVANTE” (1942)

Do EPHEMERA

O Contra-Avante (1942) é uma publicação destinada a contrariar a crescente influência do PCP e do Avante! através de um simulacro de um jornal em tudo semelhante ao original clandestino. Nos seus primeiros números o aspecto era ainda distinto, pelo que não se pode falar de um falso Avante!, como acontece com os exemplares posteriores ao número 3 (ou incluindo o número 3, que não possuo na colecção). Os números 4 e 5 podem por isso ser considerados falsos Avante! , como outros números que vieram a ser publicados mais tarde ou pela PIDE ou pela Legião Portuguesa. O cabeçalho do Contra-Avante é uma imitação do usado pelo Avante! da “reorganização” e é distinto do usado pelo chamado “grupelho” que, na mesma altura. reivindicava a legitimidade de direcção do PCP. O facto da cópia ser feita do cabeçalho da “reorganização” pode revelar o seu maior impacto nos meios operários.

30-03-2009

Avante! da “reorganização!.

30-03-2009a

Avante! do grupo Vasco de Carvalho – Sacavém.

O jornal era assinado inicialmente por “um grupo de operários” e mais tarde apresentava-se como “Órgão Central do Operariado Nacionalista Português”. Embora se desconheça quem o produziu, é possível que a sua origem esteja na Legião Portuguesa. Não conheço números posteriores a 1942.

Clicar para ampliar.

1.

30-03-2009-0130-mar-09-fotografia-41

2.

30-mar-09-fotografia-51

4-

30-mar-09-fotografia-1030-mar-09-fotografia-11

30-mar-09-fotografia-1230-mar-09-fotografia-13

5.

30-mar-09-fotografia-6130-mar-09-fotografia-71

30-mar-09-fotografia-8130-mar-09-fotografia-91

Do EPHEMERA

Colecção do Camponês, incluindo todos os muito raros primeiros números, tirados por processos artesanais que impediam grandes tiragens, incluindo os originais à máquina com notas manuscritas dos funcionários responsáveis. Esta colecção deve ter feito parte dos documentos do PCP que ficaram na posse de Francisco Martins Rodrigues em Paris e tem uma indicação manuscrita de que se destinava a preparar uma brochura sobre Lutas nos Campos.

17-03-2009-01

Continue a ler