fonte: ICS

Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa

PALESTRA

Bruno Bosteels

(Cornell University)

10 de Abril 2008 – 18h Sala Polivalente

ALAIN BADIOU, A CAMINHO DE UMA NOVA TEORIA DO SUJEITO

Autor dos livros Badiou and Politics e Alain Badiou o el recomienzo del materialismo dialéctico, Bruno Bosteels realizou o seu doutoramento na University of Pennsylvannia e foi professor em Harvard e em Columbia. Actualmente é professor na Cornell University. Entre as suas principais áreas de interesse contam-se a literatura e a cultura sul-americanas, mas tem igualmente investigado temas como os movimentos radicais dos anos 60 e 70, o dandismo e anarquia na viragem do século XIX para o século XX ou a recepção de Marx e Freud na América Latina. Também editor da revista Diacritics, Bosteels tem publicado vários artigos sobre filosofia europeia contemporânea, acompanhando muito particularmente a filosofia de Alain Badiou.

Av. Prof. Aníbal de Bettencourt, nº 9 – 1600 – 189 Lisboa

Tel: (351) 21 7804700


Anúncios

fonte: MRR, corrige esta nota.

ABRIL

Dia 15 (Terça) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 – Lançamento da revista «A comuna dedicada ao Maio de 68» apresentada por Mário Tomé

MAIO

Dia 6 (Terça) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 «Luta estudantil no pós 25 de Abril» por Dr. Rui Faustino

Dia 14 (Quarta) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 «Reflexão sobre o Maio de 1968» pela Dra. Eduarda Dionísio

Dia 19 (Segunda) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 – Conferência «A Crise Académica de 61/62 anuncia o Maio de 68» por Hélder Costa

DEBATES SOBRE 1968 EM BERLIM

fontes: H/Soz/U/Kult

dustchke.jpg

’68 – Brennpunkt Berlin

Als deutsche Studenten vor 40 Jahren auf die Straße gingen, richtete sich ihr Protest nicht nur gegen den Krieg in Vietnam. Was die vielschichtige politische Bewegung zugleich einte, war ihre Auflehnung gegen die damals herrschenden sozialen, gesellschaftlichen und kulturellen Normen der Bundesrepublik. Mit einer Gesprächsreihe von Februar bis Mai 2008 zur Ausstellung „’68 – Brennpunkt Berlin“ nimmt die Bundeszentrale für politische Bildung die Nachwirkungen der 68er-Revolte in den Blick. Welche Langzeitfolgen hatte die Bewegung? Wenn die Veränderungen wirklich so tiefgreifend waren, wie häufig behauptet wird, in welchen Bereichen von Politik, Gesellschaft und Kultur sind sie dann heute noch zu spüren? Insgesamt neun Podien mit Zeitzeugen, Experten, Autoren und Künstlern bewerten die Ereignisse aus verschiedenen Perspektiven und schlagen eine Brücke von ’68 in die Gegenwart: Was bleibt 40 Jahre später?

Continue a ler

ZAPATISMO, PODER E ESTADO (ISCTE, 9 DE ABRIL DE 2008)

fonte: organizadores

Seminário com JOHN HOLLOWAY

*

ISCTE | Auditório B203 | 9 DE ABRIL 2008 | 18:00

 

*

 

O levantamento zapatista mudou a ideia de transformação social radical, constituindo-se como um desafio prático e teórico que exige reflexão e debate. O que pode significar querer mudar o mundo sem tomar o poder? O que é uma política de dignidade? O que significa afirmar “caminhamos perguntando”? Que sentido pode adquirir o zapatismo na cidade? É sobre estas questões que se debruçará o seminário.

*

John Holloway nasceu em Dublin. Professor da Universidade de Edimburgo desde 1972, é desde os anos 70 um dos mais destacados dinamizadores da corrente conhecida como Open Marxism. Actualmente é professor na Benemérita Universidad Autónoma de la ciudad de Puebla, no México. Publicou livros e ensaios em vários países, de Post Fordism and Social Form – a Marxist debate on the Post-Fordism State até Zapatista! Reinventing revolution in México. Em 2002 publicou Changing the World without Taking Power – The Meaning of Revolution Today, livro também publicado no Brasil com o título Mudar o Mundo sem Tomar o Poder – O Significado da Revolução Hoje. Este livro, ao colocar em cima da mesa questões tais como a crise do sujeito revolucionário “clássico”, a crítica da noção de revolução enquanto estrutura de poder e dominação, a centralidade do trabalho abstracto na ideia estatocêntrica de revolução ou, ainda, a ideia de autonomia como forma política anti-totalizadora do sujeito transformador, colocou o pensamento de John Holloway no centro de um intenso e polémico debate político e teórico, travado desde a França até à Argentina.

Organização

Centro de Estudos de Antropologia Social / ISCTE

Centro de Estudos de História Contemporânea Portuguesa / ISCTE

Le monde diplomatique – edição portuguesa

Apoio

Fundação para a Ciência e Tecnologia

INSCRIÇÕES ATÉ DIA 7 DE ABRIL

Por e-mail para: ceas@iscte.pt

[Entrada gratuita. Lugares limitados]

[Confere certificado]

 

[John Holloway intervirá em espanhol]

 

[Será previamente fornecido aos inscritos um texto de John Holloway]

fonte: os organizadores

MAIO’ 68

POLÍTICA|TEORIA|HISTÓRIA


Colóquio Internacional

Lisboa, 11 e 12 de Abril de 2008

Instituto Franco-Português

Av. Luís Bívar, 91 | METRO: São Sebastião – Campo Pequeno.

Tradução Simultânea

Entrada Livre

Mais informações: lisboa1968@gmail.com | (+351) 213111468

Organização

Instituto Franco-Português

Instituto de História Contemporânea

Le monde diplomatique – edição portuguesa

Apoios: FCT | Fábrica de Braço de Prata | Goethe Institut | Antígona



Maio de 1968. Em Paris anuncia-se o início de uma luta prolongada. Quatro décadas depois, este colóquio internacional reúne um conjunto de reputados intelectuais cujas investigações permitiram voltar a olhar para 1968 nas suas mais variadas dimensões. Levando o debate mais além das repetidas alusões ao cariz geracional e estudantil da revolta, mapeando 1968 para lá das fronteiras da França, o colóquio confronta a importância de 1968 na emergência de novas subjectividades políticas, analisa a dimensão de luta de classes que atravessa o período e discute a persistência de Maio’68 nos conflitos políticos contemporâneos.

Os coordenadores,

Bruno Peixe (NÚMENA)

Luís Trindade (IHC-UNL/U.Birkbeck)

José Neves (ICS-UL)

Ricardo Noronha (IHC-UNL)

Continue a ler

fonte: Museu da República e da Resistência

mrr.jpg

Dia 6 (Terça) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 «Lutas estudantis no pós-25 de Abril» por Dr. Rui Faustino

Dia 8 (Quinta) 19.00h – Comemorações dos 50 anos da Campanha Presidencial do General Humberto Delgado – Inauguração da Exposição Bio-Bibliográfica «Humberto Delgado»

Dia 9 (Sexta) 18.30h – Comemorações dos 50 anos da Campanha Presidencial do General Humberto Delgado «A Campanha Presidencial de Humberto Delgado na Imprensa Portuguesa» pela Prof. Dra. Nair Alexandra

Dia 10 (Sábado) 16.00h – Homenagem a Manuela Azevedo

Dia 13 (Terça) 18.30 – Comemorações dos 50 anos da Campanha Presidencial do General Humberto Delgado – Conferência «Henrique Galvão e o candidato Humberto Delgado» pelo Mestre Eugénio Montoito

Dia 14 (Quarta) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 «Reflexão sobre o Maio de 1968» pela Dra. Eduarda Dionísio

Dia 17 (Sábado) 15.00h – Comemorações dos 50 anos da Campanha Presidencial do General Humberto Delgado Inauguração Exposição Fotográfica sobre a Campanha Presidencial de Humberto Delgado nas Beiras e em Trás-os-Montes

Dia 17 (Sábado) 16.00h – Conferência «A Campanha Presidencial de Humberto Delgado nas Beiras e em Trás-os-Montes» pelo Dr. Miguel Ramalho

Dia 19 (Segunda) 18.30h – Comemorações dos 40 anos do Maio de 68 – Conferência «A Crise Académica de 61/62 anuncia o Maio de 68» por Hélder Costa

Dia 28 (Quarta) 18.30h – «O 28 de Maio de 1926» pelo Professor Doutor Fernando Rosas

Dia 30 (Sexta) 18.30h – Comemorações dos 50 anos da Campanha Presidencial do General Humberto Delgado «A campanha Presidencial de Humberto Delgado em Lisboa» pela Dra. Iva Delgado – Fundação Humberto Delgado

Biblioteca Museu República e Resistência
Rua Alberto de Sousa, nº 10 A
Telf.: 217802760 Fax.: 217802788
bib.republica@cm-lisboa.pt
http://republicaresistencia.cm-lisboa.pt