COMUNICADO DO PCP SOBRE O III VOLUME DA BIOGRAFIA

PCP contra falsificação da história – Denunciar os crimes do fascismo

O Gabinete de Imprensa do Partido Comunista Português, em nota do dia 6 de Dezembro, acusa Pacheco Pereira de, a propósito de análises contidas no terceiro volume do seu livro «Álvaro Cunhal – uma biografia política, padecer de um anticomunismo vesgo e de pretender «inocentar a PIDE e criminalizar o PCP». Para os comunistas, a defesa da liberdade e da democracia exige não o branqueamento do fascismo e dos seus crimes, mas a sua denúncia. Publicamos em seguida, na íntegra, a nota do Gabinete de Imprensa.

1. Nos últimos dias, a propósito da edição do 3.º volume do livro de Pacheco Pereira, «Álvaro Cunhal – Uma Biografia Política», a opinião pública foi literalmente bombardeada com uma caluniosa e intelectualmente indigna campanha contra a história, o papel e a luta do PCP, a pretexto de pretensos assassinatos efectuados pelo PCP nos anos 50, do século passado, história desenterrada por Pacheco Pereira das operações da PIDE, aliás a sua principal e praticamente única «fonte», em particular na pessoa de um inspector da PIDE, o conhecido torcionário Fernando Gouveia.

2. As afirmações de Pacheco Pereira, de uma extrema gravidade, não podem ser silenciadas tanto mais que para além de serem caluniosas em relação ao PCP, o são igualmente em relação a pessoas que deram o melhor das suas vidas à luta pela liberdade do povo português e cuja memória deve ser preservada.
A história, o método e as «fontes» não são novos, nem originais. A ditadura fascista e a sua polícia política, aliás na esteira dos seus mestres hitlerianos, sempre responsabilizaram o PCP e as forças antifascistas por crimes que eles próprios cometeram, e não foram poucos.
O que há de novo e original é o facto de Pacheco Pereira adoptar como suas as «provas» e os argumentos da PIDE e procurar credibilizá-las com uma pretensa investigação histórica cujo objectivo é inocentar a PIDE e criminalizar o PCP.

3. Pacheco Pereira afirma que o «PCP sempre negou ter procedido a qualquer execução», como diz igualmente que «não existe qualquer documentação decisiva e de nem mesmo a PIDE – e a Polícia Judiciária, neste caso – terem conseguido encontrar provas que incriminassem os autores materiais dos assassinatos», mas nada disso o impede, recorrendo a um processo indigno e violador das mais elementares exigências de rigor, isenção e honestidade intelectual que deve pautar qualquer investigação histórica, de concluir pela responsabilidade do PCP nas referidas execuções.

4. Para Pacheco Pereira a ausência de provas, os desmentidos do PCP são coisas de pouca monta. Para ele, o que conta é a sua convicção de que essas seriam práticas comuns em outros Partidos Comunistas «amigos do PCP, além de que a PIDE não tinha por hábito executar militantes comunistas».
Pacheco Pereira não apresenta uma única prova que comprove as suas teorias, mas absolvida a PIDE, só lhe resta a teoria de que foi o PCP, teoria alicerçada nas elucubrações do inspector da PIDE, no diz que diz, em fontes «confidenciais», na referência a documentos da época que não revela e na infame truncagem e descontextualização de textos para os ligar aos factos.

5. Dando-se conta da inconsistência da sua «investigação histórica» tropeçando no assassinato de Humberto Delgado, não hesita, para manter a sua tese e ilibar a PIDE como instituição, em considerar o «caso Delgado muito obscuro quanto à responsabilidade da hierarquia da polícia no assassinato».

6. É facto que Pacheco Pereira, penetrado de um anticomunismo vesgo, revela muito pouco respeito pelas vítimas do fascismo, mas não pode passar sem a mais viva indignação a lama que lança sobre a memória de Militão Ribeiro, militante comunista que se portou sempre com grande heroicidade e que foi tragicamente assassinado pela PIDE, afirmando ser duvidosa a genuinidade da carta – ou pelo menos parte do texto – escrita por Militão Ribeiro ao PCP, com o seu próprio sangue, pouco antes da sua morte na cadeia da Penitenciária, onde foi assassinado pela PIDE.

7. Finalmente, o PCP não pode deixar de chamar a atenção da opinião pública democrática para a gravidade das acusações de Pacheco Pereira, na medida em que na base de meras suposições e efabulações, vai muito mais longe do que foi a própria PIDE, acusando no concreto um conjunto de destacados dirigentes do PCP, coisa que, na altura, nem a PIDE, apesar dos meios de que dispunha, se atreveu a fazer.
Felizmente que, pelo facto de vivermos em liberdade, as elucubrações históricas de Pacheco Pereira não poderão ser mais do que isso, embora não sejam pouco.

8. A verdade histórica é que sobre o PCP se abateu a mais feroz repressão pela sua perseverante e coerente luta pela liberdade do povo português. O PCP nessa luta pagou um pesado tributo com milhares dos seus militantes perseguidos, presos, torturados, caluniados e assassinados. A defesa da liberdade e da democracia exigem não o branqueamento do fascismo e dos seus crimes, mas a sua denúncia

Anúncios

Um pensamento sobre “COMUNICADO DO PCP SOBRE O III VOLUME DA BIOGRAFIA

  1. Eu compreendo as razões científicas e até politico-filosóficas que levam Pacheco Pereira a dedicar tanta da sua atenção ao PCP e a Álvaro Cunhal. Um e outro são objectos de trabalhos dos mais interessantes de que certamente poderia dispor. E – é correcto – um e outro são, na sua história, património colectivo. O Partido certamente gostaria de monopolizar a respectiva historiografia, mas isso simplesmente não é possível numa sociedade democrática.
    Mas, mesmo entendendo essas razões, também me repugna aceitar como “bom” que Pacheco Pereira possa, sem mais, passar uma vida a reescrever a história do PCP de uma forma tão parcial quanto o original e, agora, crie um blogue chamado alvarocunhalbio.blogspot.com,
    à maneira das biografias não autorizadas de Hollywood. Já por razões puramente teóricas, uma biografia não autorizada é um objecto bastante estranho e, em termos práticos, é, provavelmente, menos credível do que uma biografia autorizada ou uma autobiografia (afinal, o objecto aqui é o próprio biografado e portanto ninguém, mais do que ele e os que lhe são próximos, está em condições de saber como é ou como foi a sua vida).
    Pergunto-me, por exemplo, como reagirá a família de Álvaro Cunhal a este conjunto de “histórias” potencialmente afectadoras da sua memória e inteiramente incontroláveis por si. O PCP já emititu um comunicado sobre o livro e o teor do mesmo é compreensível. Mas também segue a abodagem errada (e tradicional do partido). A escolha do PCP e de Álvaro Cunhal como objecto de estudo do historiador Pacheco Pereira faz todo o sentido; assim como a criação de um blogue sobre o mesmo tema, aberto a outras participações (até do próprio PCP!), é uma excelente ideia do ponto de vista do progresso do conhecimento destas matérias e um excelente exemplo de como as novas tecnologias de informação podem dinamizar o trabalho científico e a discussão política.
    Conclusão lógica, então: o que falta aqui afinal é uma historiografia autorizada do PCP que seja mais do que mera propaganda e uma atitude mais dinâmica e menos reverencial por parte das pessoas que realmente privaram de perto com Álvaro Cunhal. Nem num nem outros estão obrigados a fazê-lo. Mas tanto um como outros poderiam fazê-lo e não o fazem.

Os comentários estão fechados.