Com pretexto no nonagésimo aniversário de Álvaro Cunhal, a TSF Online tem uma série de páginas sobre o dirigente comunista.

Regista-se aqui o índice dessas páginas:

Retrato
Cunhal: O eterno combatente
Traições para a vida
Uma cabeça de cartaz, mas não de cara de cartaz
A primeira “Cassete”
A “Cassete” dos anos 90

Clandestino
O Homem Clandestino e o Jovem Comunista
A Educação do “filho adoptivo do proletariado”
As primeiras prisões
Fuga de Peniche
O guarda camarada

Regresso a Portugal
Com o povo e o MFA
Comunistas uni-vos
A estratégia de Cunhal
Todos marxistas, todos diferentes
Soares contra Cunhal

Anúncios

Um pensamento sobre “

  1. A série de páginas da TSF online tem como é hábito quando se trata de Álvaro Cunhal uma série de imprecisões. No entanto foi impossivel ao
    autor ou autores dos textos esconder a grandeza da vida e luta de Álvaro Cunhal.
    O maior combatente da democracia portuguesa foi e é um exemplo de coragem, determinação e coerência cada vez mais raros na política nacional e internacional. É certo que o comunismo no leste não fez jus aos ideais pelos quais Cunhal lutou, no entanto na minha modesta opinião o Portugal de Abril de que Álvaro Cunhal foi principal obreiro faz muita falta aos trabalhadores Portugueses. O país está deprimido e narcotizado, nas empresas não existe participação dos trabalhadores, cresce o trabalho precário e o desemprego e de dia para dia é cada vez mais gritante a injustiça social e a miséria de largos sectores da população.
    Até na PCP se nota a falta que Cunhal faz independentemente de eu achar que Carvalhas tem sido um grande comunista ao contrário do que afirma a opinião publicada e os estrategas das sondagens e dos soundbytes.
    No futuro os comunistas portugueses terão orgulho como já hoje têm em terem nas suas fileiras um homem com as vastas capacidades intelectuais e humanas de Cunhal que ficará na história como o representante máximo do proletariado explorado.
    Esse proletariado que hoje tem caracteristicas totalmente diferentes das do passado será marxista-leninista e terá a honra de ter sido liderado por um grande teórico marxista no dominio da arte da estética da economia e do direito. Vendo o trajecto de alguns dissidentes do campo político em que me situo e observando a forma como Cunhal suprou ventos ruidosos sobre a sua conduta de folhas secas, não posso deixar de aplaudir a forma segura com que numa situação dificil a todos os niveis purgou o meu partido de elementos nocivos e o preparou para os combates do futuro.
    É necessário que o PCP se renove e responda às novas realidades mas é também necessário ter sempre presente que em política se seguem ideiais e não modas passageiras.
    Esse é também um dos grandes legados de Álvaro Cunhal. Se é bem verdade que no PCP também existem muitos falsos ortodoxos cujo carreirismo e oportunismo são gritantes, não é menos verdade que é nas fileiras do PCP que se encontram os homens e as mulheres mais imprescindiveis que este país tem. E para as boas caracteristicas humanas desses homens e mulheres deu Cunhal decisivo contributo. Mesmo agora que combate a força dos anos, não deixa de dar mostras de uma grande capacidade criadora, escrevendo livros e lutando pelo futuro de Portugal. Creio que ao comemorar os seus 90 anos a TSF não foi capaz de ilustrar esse facto.
    E creio que o autor deste blogue devido ao seu compromisso ideológico também não o consegue nos seus dois volumes biográficos já publicados sobre Cunhal.

    João

Os comentários estão fechados.