(Barcelos, 1921 – 31/12/2003)

Iniciou a sua aprendizagem escolar no Seminário da Régua, de onde saiu para o Liceu em Braga, onde esteve entre 1934 e 1941. Aí já se destacou como promotor de actividades culturais. A partir de 1937, escreve na imprensa local, sendo colaborador regular, desde a década de cinquenta, da Seara Nova e da Vértice. Como muitos da sua geração é a Guerra Civil de Espanha que o desperta para a consciência política.

Terminado o liceu emprega-se numa livraria e torna-se activista sindical, o que parece ter sido uma experiência “frustrante”. Em 1942, cria a Biblioteca Móvel, favorecendo o empréstimo domiciliário de livros, iniciativa perseguida pelo regime e finalmente extinta. Em 1943-4, liga-se ao MUNAF, e em 1945 ao MUD, através dos estudantes comunistas da sua região que nele participavam, em particular, Zenha e Armando Bacelar. Terá sido então recrutado para o PCP.

Em 1947, com base na sua experiência livreira, funda a Livraria Victor em Braga, que constituirá um suporte para a sua sobrevivência económica e um centro de actividade oposicionista local. Foi-lhe interdita a possibilidade de criar uma editora. Preso pela primeira vez em 3 de Junho de 1947, teve posteriormente repetidas prisões, em 1949, em 20 de Fevereiro de 1950, 12 de Dezembro de 1955, 2 de Junho de 1958, 29 de Junho de 1960, e 29 de Abril de 1962. Com excepção das prisões de 1950 e 1962, em que nesta última, foi acusado de pertencer às Juntas Patrióticas e absolvido, nunca foi julgado. Em 1958 apoia Arlindo Vicente e depois Humberto Delgado.

Inicia os estudos universitários no Curso de Ciências Histórico-filosóficas da Faculdade do Letras de Coimbra (1952). Quando terminou a licenciatura, atribulada pelas perseguições políticas de que era alvo, foi nomeado professor da Escola Comercial de Braga e imediatamente proibido de tomar posse. A oposição bracarense, sob inspiração do PCP, realizou-lhe um grande jantar de homenagem, em 15 de Novembro de 1959, em que participaram centenas de pessoas. Falaram Armando Bacelar, Lino Lima , Vasco da Gama Fernandes, Maria Isabel Aboim Inglês e Júlio Calisto, e foi recebida uma mensagem “dos operários de Braga”, uma forma conhecida de saudação em nome do PCP. Como era habitual nas precárias condições de legalidade, o jantar foi o pretexto para uma reunião da oposição, e se avançar na organização de um movimento contra a repressão, por proposta de Maria Isabel Aboim Inglês. Foram igualmente aprovadas moções sobre o processo contra Aquilino Ribeiro, e de apoio a Humberto Delgado. As eleições de deputados de 1961 já estavam na agenda oposicionista, tendo Victor Sá sido candidato.

A PIDE tentou, em 28 de Janeiro de 1960, encerrar a sua única fonte de sustento, a livraria de Braga, o que suscitou um movimento de protesto generalizado , mesmo nos meios mais conservadores da cidade. Três dias depois, a livraria abre de novo Nestas condições, sem possibilidade de trabalhar em Portugal, aceita uma bolsa da Gulbenkian que lhe permitiu- ir para Paris onde prepara o seu doutoramento na Sorbonne com uma tese sobre “A Crise do Liberalismo e as Primeiras Manifestações das Ideias Socialistas em Portugal (1820-1852)” pioneira do estudo da génese do socialismo em Portugal , posteriormente editada em 1969.

Impedido de regressar a Portugal, encontra-se com a família nas praias da Galiza, até que por pressão das autoridades portuguesas foi impedido de para lá se deslocar. Em 1965, decide defrontar o cacique salazarista de Braga, António Santos da Cunha, uma influente personalidade do regime, e que o acusara de “ligações com o estrangeiro”, pedindo a Armando Bacelar que o leve a tribunal por difamação. Decide então forçar o seu regresso a Portugal, mas logo que aterra em Lisboa é preso no aeroporto. Pressões de Armando Bacelar sobre Marcelo Caetano garantem-lhe a libertação. Dedica-se então à sua livraria, visto que o doutoramento não foi reconhecido. Reiniciou a sua actividade política tentando concorrer pela CDE de Braga em 1969, o que foi impedido, embora em 1973 tenha feito parte das listas. Participa no Congresso Republicano de Aveiro.

Depois do 25 de Abril, embora a sua condição de comunista fosse conhecida, apresentava-se como pertencendo ao MDP-CDE e, nessa condição, assumirá vários cargos como o de director do nacionalizado Correio do Minho. No entanto, em Braga, onde o conflito político era aberto e violento, Victor Sá foi ameaçado pelas acções terroristas anticomunistas. Veio mais tarde a ser deputado pelo APU (1979-80) e manteve sempre o activismo político local.

Prosseguiu a sua carreira académica, agora com o doutoramento reconhecido, na Faculdade de Letras do Porto, continuando a publicar livros e artigos na área da história social e operária. Os seus papéis e arquivo foram doados à Biblioteca Pública de Braga e à Universidade do Minho em 1992. Recebeu a Ordem da Liberdade.

Fontes: nota biográfica de Henrique Barreto Nunes;

José Ricardo, Romanceiro do Povo Miúdo . Memórias e Confissões, Lisboa , Edições Avante! , 1991

Joaquim Victor Baptista Gomes de Sá,Cópia da Reclamação / Senhor Ministro da Educação Nacional. Excelência:,Braga,,20 Outubro 1959 (TBH, 3ºJ, Pr. 16827/62, Cx. 703, vol. 4)

Informações Políticas / – A 15/11 realizou-se um almoço de homenagem ao Dr. Victor de Sá pelo seu recente doutoramento e de protesto por ter sido desnomeado de professor da escola técnica de Braga…(Doc dactil apreendido a Fernanda de Paiva Tomás), Novembro 1959 (TBH, 3º J, Pr. 16577/61, Cx 646-649, Vol. 5)

Informações Políticas / Almoço de homenagem ao Dr. Victor de Sá …Reuniões de democratas...(Doc dactil apreendido a Fernanda de Paiva Tomás), 20 Novembro 1959 (TBH, 3º J, Pr. 16577/61, Cx 646-649, Vol. 5)

Carta de Victor Sá a Armando Bacelar, Paris, 6 de Novembro de 1965, (Proc. 99 CI)

Algumas obras e artigos de Victor Sá:

Antero de Quental, 1942 (reeditado em 1978)

As Bibliotecas, o Públco e a Cultura, 1956

O Que É a “UNESCO”,Braga, Edição do Autor,1955

História e actualidade,Braga,,1961,

Cultura e Democracia,Braga,Edição do Autor,1961,

Patrício – Da Monarquia à República,s.l.,,s.d.,

Perspectivas do Século XIX, Lisboa, Portugália Editora,1964,

A Crise do Liberalismo e as Primeiras Manifestações das Ideias Socialistas em Portugal (1820-1852), Lisboa, Seara Nova, 1969,

Regressar para quê ?, 1970

“Do Associativismo ao Sindicalismo em Portugal”,O Instituto, V.CXXXVIII, 1977

Formação do Movimento Operário Português, Coimbra,,1978

Manuel Monteiro ou a República Inviável, Braga, Universidade do Minho, 1980,

“Congressos Operários Galaico-Portugueses no Dealbar do Século”,Revista Técnica do Trabalho, 7-8, Jan.-Junho 1981

Fascismo no Quotidiano, Lisboa, Vega, 1989,

“A Comuna de Paris / A formação do movimento operário e Portugal”, O Militante, 194,Setembro-Outubro de 1991

Roteiro da Imprensa Operária e Sindical 1836-1986, Lisboa, Caminho, 1991,

“Um anarquista famalicense em 1896: Manuel da Silva Mendes (S. Miguel da Antas 1867)”, Boletim Cultural da Câmara de Famalicão, 13, 1994-95

O Liberalismo português (1820 – 1852). Recolha Bibliográfica, Braga, Forum, 1994

Testemunho de um tempo de mudança, Braga, Conselho Cultural da Universidade do Minho, 1999

Legenda para uma memória, Braga, Biblioteca Pública de Braga, 2001,

Advertisements

Um pensamento sobre “

  1. A quem dar crédito? Ao cangalheiro?

    Victor Sá, militante comunista de longa data, morreu por estes dias e acabou sepultado no cemitério do Prado do Repouso, no Porto. Tendo sido figura pública, aparentemente pouco, é natural que sobre a sua morte alguém…

Os comentários estão fechados.